Norway pharmacy online: Kjøp av viagra uten resept i Norge på nett.

Jeg kan anbefale en god måte for å øke potens - Cialis. Fungerer mye bedre kjøp propecia Alltid interessant, disse pillene og andre ting i Generelle virkelig har helse til å handle.

Cancro gÁstrico e helicobacter pylori

CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER
PYLORI
Ana Raquel Barreira Cunha
Ana Raquel Barreira Cunha
Jorge Alberto Afonso Pereira Areias
Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar/Universidade do Porto CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI 1. Resumo ------------------------------------------------------------------------------------ 3
2. Introdução -------------------------------------------------------------------------------- 4
3. Testes para a identificação do Helicobacter pylori ------------------------------- 9
4. Porquê erradicar? --------------------------------------------------------------------- 11
5. Indicações para a erradicação do Helicobacter pylori -------------------------- 12
6. Fármacos usados na erradicação do Helicobacter pylori ---------------------- 13

6.1 - Esquemas terapêuticos utilizados na erradicação da infecção por

Helicobacter pylori --------------------------------------------------------------------- 13
6.2 - AINE`s como adjuvantes na terapia pós-erradicação? ------------------ 18
6.3 - Linfoma MALT Gástrico ------------------------------------------------------ 18
6.4 – Esquemas praticados actualmente em Portugal -------------------------- 21
7. Conclusão-------------------------------------------------------------------------------- 22
8. Referências Bibliográficas------------------------------------------------------------ 24
CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
1 - RESUMO
Introdução: Apesar da incidência e da mortalidade por cancro gástrico terem vindo a sofrer uma acentuada queda nos últimos anos, este permanece entre os problemas mais graves de saúde pública, sendo uma das principais causas de morte por cancro em todo o mundo. A incidência deste cancro varia consideravelmente entre os diferentes países, tendo Portugal taxas bastante elevadas. Objectivos: O objectivo deste trabalho é avaliar a importância da erradicação da infecção por Helicobacter pylori no desenvolvimento de cancro gástrico na população portuguesa, tendo em conta as vantagens e desvantagens da mesma, de acordo com resultados de estudos efectuados e disponíveis em bibliografia nacional e internacional Desenvolvimento: De entre os tipos de cancro gástrico, o adenocarcinoma é, sem dúvida, o mais frequente, constituindo mais de 85% dos cancros do estômago. Em 15% dos casos podem surgir certos tipos de linfomas (MALT) e mais raramente tumores carcinóides, estromais (GIST) e leiomiossarcomas. Os factores etiológicos envolvidos na génese do cancro gástrico não são inteiramente conhecidos. Estudos epidemiológicos demonstram a importância de factores ambientais, alimentares, tabagismo e o alcoolismo na sua patogenia. No entanto, o principal factor de risco para o surgimento do carcinoma é a infecção crónica pela bactéria Helicobacter pylori. Conclusão: A erradicação do H. pylori no intuito da prevenção e diminuição da incidência do cancro do estômago é uma perspectiva que continua em investigação. Sendo o cancro do estômago uma morbilidade prevalente e significativa na população mundial, este é um tema de grande importância para a possível optimização da saúde pública, tendo extrema relevância encontrar os esquemas terapêuticos da erradicação da infecção por H. pylori ideais e da população alvo que dela poderá beneficiar. PALAVRAS-CHAVE:
Helicobacter pilory, Cancro Gástrico, Adenocarcinoma Gástrico, Linfoma MALT CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
2 - INTRODUÇÃO
O cancro gástrico é um problema mundial grave de saúde, sendo a 4ª neoplasia mais frequente do mundo. É responsável por cerca de 10% das mortes por cancro na população em geral e a sua incidência global é de 16,2/100,000 pessoas /ano. - Em Portugal, o cancro gástrico é a 3ª neoplasia mais frequente, apresentando uma incidência de 26,7/100,000 casos. – Registo Oncológico Nacional, 2001. A incidência e a mortalidade do cancro gástrico, tem diminuido acentuadamente nas últimas décadas no mundo inteiro, principalmente nos países desenvolvidos. No entanto, em países como o Japão, China, Chile e Irlanda, estes valores permanecem Helicobacter pylori
A infecção por H. pylori é comum e mais de 50% da população mundial está infectada por este microorganismo. A prevalência da infecção varia em todo o mundo e depende principalmente do estilo de vida das diferentes áreas geográficas . Nos países em desenvolvimento, 80% dos indivíduos podem estar infectados aos 20 anos, enquanto que 20-30% dos indivíduos na mesma faixa etária estão infectados nos países desenvolvidos. Assim, a infecção por H. pylori tem uma distribuição irregular a nível mundial sendo a prevalência da sua infecção muito mais frequente nos países em desenvolvimento. Portugal comporta-se como um país em desenvolvimento, com prevalência muito superior a outros países desenvolvidos ocidentais. Um estudo realizado no norte do país demonstra que depois dos 50 anos de idade, aproximadamente 80% dos portugueses estão infectados com H. pylori. No entanto, a maior parte nunca terá sintomas relacionados com esta bactéria nem necessitará de tratamento, sendo impensável fazer a erradicação a todos. A taxa de infecção pelo H. pylori nos países desenvolvidos diminuiu substancialmente nas últimas décadas, assim como a incidência de cancro gástrico, facto que evidencia uma forte relação entre infecção por esta bactéria e desenvolvimento de cancro gástrico. A diminuição da prevalência desta bactéria nos países desenvolvidos é CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI directamente responsável pela dimunuição da incidência de doença ulcerosa péptica e Europa Ocidental
Leste Asiático (Japão)
Prevalência da infecção H. pylori
Gastrite Atrófica
- Com H. pylori
- Sem H. pylori
Metaplasia Intestinal
- Com H. pylori
- Sem H. pylori
Displasia
Quadro I: Prevalência de lesões pré-malignas induzidas por H. pylori em diferentes regiões. Haringsma et Helicobacter pylori é uma bactéria gram-negativa, com forma espiralada e que possui múltiplos flagelos que lhe conferem mobilidade para selectivamente colonizar a mucosa gástrica, inicialmente na região pré-pilórica do estômago e progressivamente nos segmentos mais proximais do estômago. A sobrevivência da bactéria no ambiente ácido do estômago é auxiliada pela urease - uma enzima produzida por este microorganismo que catalisa a degradação da uréia, com formação de iões de amónio Factores como viver num país em desenvolvimento, baixo nível sócio- económico, famílias numerosas e com crianças pequenas, más condições sanitárias, contaminação de alimentos e água e o contacto com as secreções gástricas (médicos, enfermeiros e a própria família) facilitam a propagação desta infecção de ser humano para ser humano pelas vias oral-oral e fecal-oral. A infecção ocorre geralmente na infância, dentro do núcleo familiar. Para a profilaxia da infecção pelo H. pylori, simples recomendações para inibir a propagação das bactérias não devem ser esquecidas, como lavar as mãos, e preferir camas CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI Bactérias como a H. pylori podem causar gastrite crónica, perda de acidez gástrica e crescimento bacteriano no estômago. Perda de acidez pode ocorrer também quando as células produtoras de ácido do antro gástrico são removidas cirurgicamente para controlo da doença ulcerosa péptica benigna ou quando há acloridia, gastrite atrófica e mesmo quando se desenvolve anemia perniciosa nos mais idosos. Lesões Induzidas pelo H. pylori
A principal patologia causada pelo H. pylori é a inflamação da mucosa gástrica. O resultado final da infecção por H. pylori é determinado por uma complexa interacção entre factores bacterianos e relacionados com o hospedeiro. Bartnik W. (2008) descreveu três entidades patológicas relacionadas com o H. pylori: gastrite crónica, úlcera duodenal e/ou gástrica e cancro gástrico. A mais frequente patologia causada pelo H. pylori é a gastrite crónica simples,
que não é acompanhada por alterações significativas na secreção de ácido gástrico e não leva a complicações graves. A gastrite crónica causada pelo H. pylori evolui, em determinadas condições, para gastrite atrófica, que evolui nalguns casos para metaplasia intestinal, que por sua vez evolui em circunstâncias especiais para displasia gástrica. Taxa de Progressão para Cancro Gástrico
Gastrite Atrófica
Metaplasia Intestinal
Displasia Gástrica
Quadro II: Evolução das diferentes lesões pré-malignas induzidas por H. pylori para cancro gástrico. - CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI A doença ulcerosa ocorre em 15% das pessoas infectadas e é caracterizada por
lesões inflamatórias na região antral ou do corpo do estômago, aumento da produção de gastrina e da secreção ácida (ácido clorídrico). A gastrite com predomínio antral está associada à formação de úlcera duodenal, a qual se deve maioritariamente à infecção por esta bactéria. A gastrite que envolve predominantemente o corpo, pode predispor ao desenvolvimento de úlceras gástricas, atrofia gástrica e finalmente carcinoma gástrico. O adenocarcinoma gástrico desenvolve-se em cerca de 1% dos indivíduos
infectados. Ocorre mais frequentemente com inflamação do corpo gástrico, atrofia da membrana mucosa nesta região do estômago e diminuição da secreção de ácido Os adenocarcionomas gástricos podem ser divididos em duas categorias: • tipo difuso, em que não há coesão celular e as células não formam uma massa bem definida. Este tipo de adenocarcinoma é mais comum em doentes mais jovens, ocorre em todo o estômago (incluindo cárdia), diminui a distensibilidade da parede gástrica e tem pior prognóstico. • tipo intestinal, caracterizado por células neoplásicas coesas, com frequência ulcerativas, mais comum no antro e na curvatura menor do estômago. Este tipo de adenocarcinoma é muitas vezes precedido por um processo pré-canceroso prolongado. Ao contrário do tipo difuso, o tipo de adenocarcionoma intestinal varia entre as populações, concentrando-se em áreas geográficas de alto risco, onde ocorre maior propagação do H. pylori. Até à data, o H. pylori foi apenas associado a este tipo de adenocarcinoma gástrico, não estando relacionado com O linfoma gástrico MALT, como atrás referido, também está associado à
CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI Associações Clínicas
Frequência de Associação
Úlcera Duodenal
Úlcera Gástrica
Adenocarcinoma Gástrico
Linfoma MALT
Dispepsia Funcional
Quadro III: Consequências da Infecção por H. pylori. Estas diferentes evoluções podem ser atribuídas à susceptibilidade de cada pessoa, à virulência da estirpe da bactéria, à idade da aquisição da infecção, a factores genéticos, a factores ambientais, entre outros desconhecidos. Entre os factores de risco gastrintestinais gerais relacionados com o doente estão a idade maior que 60 anos, uma história de úlcera péptica e suas complicações e existência de uma patologia associada ou grave. Também contribuem para o risco gastrintestinal a medicação simultânea com anti-coagulantes ou corticosteróides, utilização de AINE`s (anti-inflamatório não esteróide), principalmente se em doses altas ou de 2 AINE`s em simultâneo. Sendo assim, num hospedeiro susceptível, o H. pylori pode causar gastrite crónica activa que pode levar a doença ulcerosa péptica gastroduodenal, a adenocarcinoma, assim como a linfoma do tecido linfóide associado à mucosa gástrica MALT, evidenciando que o desenvolvimento destas patologias está interligado. O diagnóstico geralmente é feito numa fase avançada de progressão da doença, o que dificulta a eficácia dos procedimentos terapêuticos e piora o prognóstico dos No entanto, a infecção pelo H. pylori nem sempre significa doença. Geralmente, o microorganismo comporta-se como comensal, sendo que apenas 10-20% dos indivíduos infectados requerem um tratamento anti-bacteriano. CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
3 – TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DO HELICOBACTER
PYLORI
- Teste serológico (anticorpos da classe IgG)
Este teste não é invasivo, tem uma sensibilidade maior que 80% e especificidade de cerca de 90%. Contudo, não é adequado para a confirmação da erradicação deste microorganismo (as contagens destes anticorpos mantêm-se no sangue pelo menos durante 1 ano, depois do H. pylori ser erradicado). - Testes respiratórios com ureia (13C ou 14C)
Este teste também não é invasivo, é simples e apresenta uma sensibilidade e especificidade maiores que 90%. É eficaz para comprovar infecção corrente ou verificar eficácia do tratamento. Contudo, é relativamente caro. - Antigénio fecal do Helicobacter pylori
Semelhante aos testes respiratórios, este teste também não é invasivo, é simples e tem uma sensibilidade e especificidade maiores que 90%. - Exame Histológico
Contrariamente aos testes anteriores, este teste é invasivo. Tem uma sensibilidade de 80-90% e especificidade de mais de 95% e fornece informação histológica valiosa pela coloração da amostra citológica obtida por endoscopia digestiva CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI - Teste da urease rápida (CLO-test)
Igualmente invasivo e portanto, requerendo amostras obtidas por endoscopia, está indicado apenas nos indivíduos que têm indicação para este exame. Deve-se ter em atenção a possibilidade da obtenção de falsos negativos, com o uso recente de IBP (inibidores da bomba de protões) e antibióticos. Apresenta sensibilidade de 80-95% e - Exame Cultural
Este procedimenro é invasivo, caro e demorado. As culturas do H. pylori são necessárias quando há falha no tratamento, juntamente com antibiograma. Em suma, os testes disponíveis actualmente para a identificação do Helicobacter pylori Teste respiratório (ureia- C13)
Não invasivos
Pesquisa de antigénios do H.
pylori nas fezes
Testes Directos
Exame histológico – H&M,
Invasivos ( associados à
coloração argêntica
endoscopia digestiva alta)
Exame Cultural
Teste rápido da urease
Doseamento dos anticorpos
Testes Indirectos
Serologia
IgG anti- H. pylori
Quadro IV: Testes para identificação do Helicobacter pylori. Não é necessário na maioria dos pacientes testar se o tratamento resultou na erradicação do H. pylori. A eficácia do tratamento baseia-se geralmente na melhoria clínica, com excepção dos doentes com história de hemorragia de uma úlcera passada, em que um exame endoscópico para a avaliação da erradicação é necessária. CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
4 - PORQUÊ ERRADICAR?
Existem situações em que se recomenda erradicar o Helicobacter pylori, atendendo a certos critérios específicos a cada doente e respectiva patologia. Sabe-se que por exemplo, a erradicação do H. pylori com antibióticos faz regredir em cerca de A gastrite crónica induzida pelo Helicobacter pylori é o mais relevante factor de risco para o adenocarcinoma gástrico, mas os efeitos da erradicação da bactéria na carcinogénese permanecem obscuros. A re-infecção após o tratamento é muito comum e o tratamento de todos os indivíduos infectados poderia acabar por levar à emergência de estirpes resistentes aos actuais antibióticos, para além dos gastos económicos. Um estudo em modelos animais que concluiu que a erradicação do H. pylori diminui a incidência e gravidade das lesões com potencial cancerígeno, enfatizou ainda o facto da eficácia da erradicação da doença depender da altura da intervenção, fornecendo indícios sobre os mecanismos que podem regular o desenvolvimento de malignidades que surjam no contexto de estados inflamatórios. - Romero-Gallo et al Por outro lado, na população humana, estudos que incidiram sobre as consequências da erradicação do H. pylori revelaram resultados mistos. - Numa população de indivíduos infectados da China, foi demonstrado que o tratamento da infecção por H. pylori foi eficaz na prevenção do cancro gástrico em indivíduos sem lesões pré-malignas (por exemplo, atrofia gástrica, metaplasia intestinal e displasia) e que a incidência combinada de atrofia, metaplasia intestinal, displasia e cancro foram reduzidos após o tratamento dirigido contra o H. pylori.- Romero-Gallo et al (2008) Contudo, quando a incidência de cancro gástrico foi analisada separadamente, não houve benefício significativo da erradicação. Uma limitação deste estudo foi que o tempo médio de seguimento após a intervenção variou de 4 a 8 anos, e o cancro gástrico geralmente desenvolve-se apenas depois de décadas de infecção e alterações provocadas - Em apoio ao estudo anterior, um ensaio de quimioprofilaxia realizado recentemente na Colômbia demonstrou que intervenções precoces contra o H. pylori reduzem a gravidade das lesões pré-malignas em comparação com intervenções posteriores. Para além disso, o processo de prevenção, semelhante à carcinogénese CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI gástrica em si, segue uma curva exponencial em que os primeiros anos de exposição tem efeitos mensuráveis mínimos em marcadores de progressão, mas é seguida de marcadas alteracões nos anos subsequentes. No entanto, este estudo não investigou os efeitos da erradicação do H. pylori no resultado final de cancro gástrico.- Romero-Gallo Apesar do tratamento do H. pylori diminuir a incidência e a gravidade da expressão de citocinas pró-inflamatórias, de lesões pré-malignas e malignas, a eficácia da erradicação da doença depende do tempo de intervenção. 5 - CRITÉRIOS PARA ERRADICAÇÃO
Actualmente recomenda-se erradicar o Helicobacter pylori nas seguintes Úlcera péptica - activa, inactiva ou complicada. As úlceras gástricas e duodenais podem cicatrizar definitivamente com a erradicação do H. pylori. Gastrite atrófica. É importante ter em conta que a presença de gastrite simples por si só não é indicação absoluta de tratamento do H. pylori, já que os muitos pacientes costumam melhorar mesmo sem antibióticos e outros mantém os sintomas apesar da erradicação da bactéria. Linfoma gástrico MALT. A maioria dos linfomas MALT curam com a História de gastrectomia prévia por cancro gástrico. Parentes de primeiro grau de doentes com cancro gástrico. Tratamento prolongado com inibidor da bomba de protões (IBP). Previsão de tratamento prolongado com anti- inflamatório não esteróide (AINE). Púrpura Trombocitopénica Idiopática. Anemia sideropénica de origem desconhecida. CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
6 – FÁRMACOS UTILIZADOS NA ERRADICAÇÃO DO HELICOBACTER
PYLORI
Ainda não existe um tratamento ideal: que seja 100% eficaz, barato e de simples toma. Os objectivos são alcançar uma alta taxa de cura (80-90%), ser simples, bem tolerado, fácil de cumprir e rentável. 6.1 - ESQUEMAS TERAPÊUTICOS PARA A ERRADICAÇÃO DA INFECÇÃO
POR HELICOBACTER PYLORI
Tratamento de 1º linha
De acordo com as actuais recomendações de Maastricht III e ao consenso recente da Sociedade de Gastroenterologia Polaca, o tratamento de primeira linha na erradicação do H. pylori consiste na terapêutica tripla com um inibidor da bomba de protões (IBP) e dois dos três antibióticos, duas vezes por dia, durante 7 dias: A falha na erradicação do H. pylori com o presente tratamento de primeira linha tem sido relatada em aproximadamente 20% dos doentes. O aumento da resistência à claritromicina e ao metronidazol são as principais causas de falha da terapêutica. O esquema de tratamento de 2ª linha reveste-se de alguma controvérsia, especialmente nos países em desenvolvimento, onde a infecção apresenta alta prevalência e resistência aos A amoxicilina, um antibiótico barato, tem sido amplamente utilizada em esquemas de primeira e 2ª linha na erradicação do H. pylori. Contudo, Eisig et al (2009) demonstrou uma elevada resistência à amoxicilina (38%), tornando a sua inclusão em esquemas de 2ª linha uma decisão difícil. O tipo de IBP usado em doses padrão não influencia significativamente o resultado do tratamento.- Polish Society of Internal Medicine (2008) CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI Tratamento de 2º linha:
Esquemas de tratamento empíricos de 2ª linha para a erradicação do H. pylori estão em discussão. Apesar das recentes directrizes sugerirem a utilização de testes de sensibilidade microbiana para decisão terapêutica da infecção por H. pylori, as culturas bacterianas são caras, demoradas e não disponíveis como exames de rotina, particularmente na maioria dos países em desenvolvimento. - Esquemas contendo bismuto foram recomendados como terapia quádrupla de
segunda linha (compostos de bismuto, IBP, e dois antibióticos) e até mesmo de eventual primeira linha nas recomendações de Maastricht. Ford et al (2008) Alguns estudos demonstraram que os compostos de bismuto, quando utilizados a curto prazo por 1 a 2 semanas na erradicação do H. pylori são seguros e que os dados a respeito dos efeitos tóxicos dos compostos de bismuto, entre eles a neurotoxicidade, são principalmente derivados de estudos que usaram estes compostos em doses elevadas por um período prolongado de tempo. O único efeito colateral que ocorreu com frequência Cheng et Hu (2009) demonstrou que uma taxa de erradicação de 69% foi obtida após o tratamento de 7 dias com uma associação de bismuto, furazolidona em alta dose (200 mg, 2 vezes/dia), amoxicilina e um inibidor de bomba de protões em doentes com úlcera péptica que não responderam a outros esquemas de erradicação. Uma taxa de erradicação semelhante (63%) foi atingida com o mesmo esquema terapêutico trocando Cheng and Hu (2009) mostrou ainda que a associação de amoxicilina, rabeprazol, bismuto e baixa dose de furazolidona é um tratamento de segunda ou terceira linha valioso para os doentes que não responderam à primeira ou segunda linha de tratamento de erradicação de H. pylori. Este esquema mostrou ser bem tolerado pela maioria dos doentes, sendo eficaz, barato e seguro como opção para terapia de 2ª linha de doentes infectados pelo H. pylori, e pode também ser recomendado como alternativa em populações com alta resistência ao metronidazol. Contudo, os esquemas com compostos de bismuto já não estão disponíveis em Portugal e em muitos outros países devido aos efeitos laterais relatados do mesmo. CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI Nos últimos anos, o aparecimento de novos esquemas de tratamento antibiótico como por exemplo, a rifabutina ou a levofloxacina, tentam fazer frente às estirpes - A Rifabutina apresenta taxas de erradicação que variam de 79% a 90% quando
combinada com amoxicilina e um IBP. No entanto, é um fármaco muito caro e tem sido associado a mielotoxicidade. - Eisig et al (2009) - Nishizawa et al (2009) demonstrou que o tratamento triplo com quinolonas levou a
taxas de cura da infecção por H. pylori que variam de 60% a 84%. As quinolonas apresentam boa absorção oral, não têm efeitos colaterais importantes e apresentam uma actividade marcada contra o H. pylori. No entanto, resistência primária do H. pylori às quinolonas tem sido relatada e varia entre 2-22% em diferentes países ou regiões. Estes dados sugerem que a resistência às quinolonas é facilmente adquirida e que a generalizada prescrição de quinolonas pode conduzir à propagação de resistências. Esquemas baseados na utilização de levofloxacina foram sugeridos por
Schrauwen et al (2009) como uma alternativa à terapia quádrupla. Um esquema de 2ª linha para erradicação do H. pylori com a levofloxacina, furazolidona e lansoprazol apresentou elevada eficácia, principalmente em doentes previamente submetidos a um máximo de dois regimes de tratamento, como evidenciado por Eisig et al (2009). Igualmente, uma meta-análise recente mostrou que o tratamento triplo com levofloxacina, amoxicilina e IBP apresenta melhor tolerância geral e maior eficácia que a terapia quádrupla com bismuto. - Eisig et al (2009) Os efeitos secundários relatados com regimes baseados na levofloxacina e amoxicilina são geralmente raros e a maioria dos efeitos colaterais relatados são relacionados com a furazolidona. No entanto, e ao contrário do que geralmente é relatado por outros estudos, os efeitos secundários observados neste estudo foram geralmente de intensidade ligeira ou moderada, sendo bem tolerados e não interferindo com a adesão Eisig et al (2009) confirma ainda que a eficácia terapêutica de 2ª linha está directamente relacionada com o número de tratamentos anteriores. Em doentes previamente submetidos a três ou mais tratamentos, a taxa de erradicação foi de 57% enquanto que entre aqueles previamente submetidos a apenas um tratamento, foi de CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI Em relação à duração dos tratamentos que incluem levofloxacina, apesar de um período de sete dias de erradicação ser eficaz, um aumento na taxa de erradicação foi observado quando um regime de dez dias é aplicado. A vantagem de um esquema de sete dias é a alta adesão, redução de custos assim como de efeitos laterais. Nishizawa et al (2009) evidenciou que os efeitos secundários do tratamento de 10 dias com levofloxacina, amoxicilina e rabeprazol ocorreram em 25% dos doentes, consistindo principalmente em hálito metálico (8%), náuseas (8%), mialgias / artralgias Outro estudo numa população holandesa, mostrou que sete dias de tratamento triplo com esomeprazol, levofloxacina e amoxicilina ou claritromicina é muito eficaz e seguro para a erradicação do H. pylori.- Schrauwen et al (2009). Este esquema pode ser usado como terapia de primeira linha ou de segunda linha. Este estudo também mostrou que a associação da amoxicilina parece causar menos efeitos colaterais. Nishizawa et al (2009) evidenciou que numa população tratada com um esquema de sete dias de gatifloxacina, rabeprazol e amoxicilina, os efeitos secundários foram
relatados em 8,9% dos doentes, entre as quais náuseas, cefaleias e diarreia leve. No entanto, nenhum deles exigiu a interrupção do tratamento. - Um preditor da resposta ao metronidazol como regime de 2º linha baseia-se na concentração inibitória mínima (CIM) e nos resultados do teste respiratório com ureia. Os doentes com uma alta resistência à erradicação podem beneficiar de uma mudança para outro esquema de tratamento com base nos resultados do teste de susceptibilidade A furazolidona é uma alternativa à terapia combinada para a erradicação do H.
pylori, em substituição à amoxicilina ou metronidazol, resultando em boas taxas de erradicação em doentes que não responderam ao tratamento.- Eisig et al (2009). Vários estudos têm mostrado a eficácia dos esquemas contendo uma alta dose de furazolidona (200 mg, 2vezes/dia) no tratamento de doentes com infecção por H. pylori.- Cheng and Hu (2009). No entanto, o seu uso não se expandiu devido aos A furazolidona é um nitrofurano de largo espectro, activo contra bactérias Gram- negativas e Gram-positivas, inibindo as enzimas bacterianas, sendo também activo contra protozoários. Um estudo demonstrou que as estirpes resistentes à furazolidona CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI são raras e não têm resistência cruzada ao metronidazol.- Cheng and Hu (2009). Neste estudo, a furazolidona apresentou alguns efeitos colaterais, especialmente gastrointestinais (os mais frequentes foram náuseas e diarreia). Vários outros estudos relataram que os efeitos secundários muito frequentes (mais de 20%) nos doentes que receberam tratamento com regimes de furazolidona, especialmente com furazolidona de alta dose, que está relacionada com alto índice de efeitos colaterais graves que podem levar à descontinuação do tratamento. A maior parte destes efeitos estão relacionados com o seu papel como inibidor da monoaminooxidase e incluem febre, rash e dor abdominal intensa. Embora os efeitos secundários tenham sido mais frequentes após a extensão do ciclo de tratamento, essa diferença não foi significativa entre os diferentes grupos de tratamento.- Cheng and Hu (2009) Tratamento de 3º linha:
A gestão da falha da erradicação do H. pylori com a primeira ou segunda linha de tratamento tornou-se um desafio. Actualmente, ainda se procura estabelecer um consenso para um tratamento de terceira linha padrão e as directrizes europeias recomendam cultura com antibiograma para orientação do tratamento - Nishizawa et al (2009), apesar da realização de culturas estar frequentemente confinada aos centros de Como evidenciado anteriormente, depois da falha do tratamento de primeira linha com metronidazol e claritromicina devido às resistências adquiridas pelo H. pylori, estes dois fármacos não são recomendados para inclusão nos regimes terapêuticos de terceira linha. As alternativas de tratamento triplo sugeridas por Nishizawa et al (2009) foram o tratamento com esquemas contendo rifabutina; com altas doses de inibidores da bomba de protões e amoxicilina; e o tratamento com esquemas contendo furazolidona. - Novas quinolonas, incluindo sitafloxacina ou garenoxacina, são mais potentes
contra o H. pylori que levofloxacina e gatifloxacina e mudar para estas quinolonas pode melhorar a eficácia do tratamento de erradicação de terceira linha. - Nishizawa et al (2009) Segundo Cheng et Hu (2009), a selecção das quinolonas para o tratamento de terceira linha deve ser baseada nos resultados dos testes de sensibilidade aos fármacos ou análise gyrA (gene mutado no H. pylori que lhe confere a resistência às quinolonas). CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
6.2 - AINE`S COMO ADJUVANTES NA TERAPIA PÓS-ERRADICAÇÃO?
É amplamente aceite que a COX-2 desempenha um importante papel na carcinogénese gástrica. A sobre-expressão de COX-2 foi encontrada na inflamação, nas lesões pré-cancerosas e nos tumores gástricos induzidos pela H. pylori. Um estudo revelou que embora a infecção por H. pylori ser um iniciador crítico e mediador das alterações gástricas pré-malignas e da sua carcinogénese, a erradicação por si só não melhora essas lesões pré-cancerosas. O fracasso da erradicação pode ser explicado pelo facto de que a expressão da COX-2, mantém-se elevada ou apenas ligeiramente reduzida após a erradicação do H. pylori. - Zhang et al (2009). A inibição da COX-2 por anti-inflamatórios não-esteróides tem provado ser eficaz na prevenção da carcinogénese gástrica. Contudo, como a erradicação do H. pylori não é suficiente para reverter a carcinogénese gástrica devido à falha na inibição de factores pró- tumorogénicos induzidos pelo H. pylori, é razoável combinar tratamentos adicionais que actuem ao nível da COX-2. - Zhang et al (2009) demonstrou que a erradicação do H. pylori seguido do tratamento com celecoxib durante 3 meses, melhora e atenua a
progressão das lesões gástricas pré-cancerosas. As propriedades anti-neoplásicas do celecoxib são explicadas devido à sua capacidade de inibição da actividade do COX-2, suprimindo a proliferação celular e a angiogénese. 6.3 - LINFOMA MALT GÁSTRICO
Cerca de 40% de todos os linfomas gástricos são indolentes e a maioria destes são do tipo MALT extranodais. No entanto, pelo menos um terço deles apresenta-se como um linha gástrica primária.- Hancock et al (2008); Zucca and Dreyling (2008) O linfoma MALT gástrico constitui aproximadamente 8% dos linfomas de células B e caracteriza-se por geralmente permanecer localizado por longos períodos de tempo. CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI O tratamento do linfoma difuso de grandes células B ainda é controverso. Foram relatados alguns casos de regressão de linfomas gástricos de elevado grau após a erradicação da infecção por H. pylori. Cavanna et al. (2008) demonstrou que todos os doentes com linfoma gástrico de células B difuso primário associado com infecção por H. pylori, após estadiamento completo com a ultra-sonografia endoscópica, tomografia computadorizada e biópsia de medula óssea, devem ser primeiramente tratados para erradicação do H. pylori. Uma reavaliação endoscópica deve ser executada 4-6 semanas após o tratamento de erradicação, para avaliar a progressão/regressão do linfoma. Se não ocorreu resposta ou progressão, o doente deve ser submetido a cirurgia ou a outro tratamento convencional. Se ocorrer remissão parcial, o linfoma é provavelmente responsivo e pode-se obter uma remissão completa. O doente deve ser rigorosamente monitorizado para detectar sinais de progressão ou de remissão completa. Cavanna et al (2008) mostrou que a erradicação da infecção pelo H. pylori resulta na regressão a longo prazo do tumor em 77% dos pacientes com linfoma MALT A erradicação do H. pylori deve ser empregue como o único tratamento inicial de linfoma MALT gástrico, H. pylori positivo, localizado ao estômago.- Zucca and Dreyling (2008). No entanto, vários estudos mostraram em alguns casos a persistência de células B monoclonais após regressão histológica do linfoma. Nestes casos, a espera A avaliação histológica de biópsias repetidas continua a ser um procedimento essencial de vigilância e devem ser realizadas 2-3 meses após o tratamento para documentar a erradicação do H. pylori e posteriormente, pelo menos duas vezes por ano durante 2 anos para acompanhar a regressão do linfoma. Em caso de doença residual estável, um follow-up endoscópico e sistémico (hemograma e exames radiológicos ou ultra-sonografia) a longo prazo deve ser feito uma vez por ano.- Zucca and Dreyling (2008). A interpretação do infiltrado linfóide residual nas biópsias gástricas pós- tratamento é muitas vezes difícil e não há critérios uniformes reprodutíveis na literatura CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI para a definição de remissão histológica. Com follow-up`s mais longos, uma avaliação mais aprofundada da recidiva / progressão e incidência de transformação para doença de alto grau podem ser obtidos.- Hancock et al (2008) Igualmente, Terai et al (2008) revelou resultados favoráveis a longo-termo do linfoma MALT gástrico depois da erradicação do H. pylori e mostrou taxas de remissão completa entre 60 a 90% e que estes valores podem ser devidos a alterações cromossómicas. A presença da translocação cromossómica (11;18) (q21;q21) pode ser um marcador de resposta limitada à erradicação do H. pylori do tipo MALT gástrico. Hancock et al (2008) mostrou que não há evidência que a quimioterapia adicional com clorambucil ao tratamento da erradicação do H. pylori contribua para prevenir a recorrência dos linfomas MALT gástricos localizados. Portlock et al (2008) demonstrou que as infecções são comuns em estadios avançados do linfoma indolente, e que a identificação e o tratamento de infecções associadas ao linfoma podem ser o primeiro passo no desenvolvimento e prevenção do linfoma. A identificação de outras infecções, como por exemplo a infecção pelo VHC, que como o H. pylori, também estão associadas à activação antigénica, podem beneficiar do tratamento das mesmas na prevenção do desenvolvimento do linfoma. Em doentes H. pylori-negativos ou doentes que não responderam à antibioterapia, devem recorrer à radioterapia e quimioterapia dependendo do estádio da doença.- Zucca and Dreyling (2008). A radioterapia isolada tem sido relatada por várias instituições
como um excelente controle da doença, estando preconizada a utilização de radioterapia de dose moderada (30-40 Gy de radiação em 4 semanas para a estômago e gânglios perigástricos) para doentes no estádio I-II de linfoma MALT do estômago. Doentes com doença sistémica devem ser considerados para quimioterapia sistémica e/ou
imunoterapia com anticorpos monoclonais anti–CD20. A prática clínica afastou-se da cirurgia nos últimos 10 anos, devido às crescentes taxas de sucesso obtidas através do tratamento médico. - Hancock et al (2008) CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
6.4 – ESQUEMAS PRACTICADOS ACTUALMENTE EM PORTUGAL
Uma vez que a taxa de resistência primária à claritromicina é inferior a 15-20% na população portuguesa adulta e sendo a resistência do H. pylori a esta uma das causas na falha da erradicação desta bactéria, o tratamento de 1ª linha em Portugal assenta na associação de um IBP, claritromicina e amoxicilina ou metronidazol, conforme descrito pela Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia. O prolongamento do tratamento para 14 dias pode representar um ligeiro acréscimo de eficácia, mas na maioria dos casos, a terapêutica de 7 dias é praticada. Apesar da resistência ao metronidazol na população portuguesa ser inferior a 40%, o tratamento com IBP, claritromicina e amoxicilina é preferido actualmente, uma vez que pode fornecer melhores resultados se necessária uma terapêutica de 2ª linha. Como referido anteriormente, uma vez que os compostos de bismuto não estão disponíveis em Portugal e sendo portanto impracticável a terapêutica quádrupla com bismuto, actualmente a Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia recomenda a terapêutica de 2ª linha com IBP, metronidazol e amoxicilina (ou tetraciclina) para os IBP (2xdia) + Claritromicina 500 mg (2xdia) +
Amoxicilina 1 g (2xdia) – 7 dias
Terapêutica de 1ª linha
IBP (2xdia) + Claritromicina 500 mg (2xdia) +
Metronidazol 500 mg (2xdia) - 7 dias
IBP (2xdia) + Subcitrato / subsalicilato de bismuto 120mg
(4xdia) + Metronidazol 500 mg (3xdia) + Tetraciclina 500
mg (4xdia) - 14 dias
Terapêutica de 2ª linha
IBP + Metronidazol 500 mg (2xdia) + Amoxicilina 1 g
(2xdia) (ou Tetraciclina 500 mg 4xdia) - 14 dias
Quadro V: Regimes Terapêuticos para a erradicação do Helicobacter pylori. CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
7 - CONCLUSÃO
• A infecção por Helicobacter pylori é um problema de saúde muito prevalente em Portugal e a nível mundial, estando associada ao desenvolvimento de malignidades como adenocarcinoma e linfoma MALT gástricos. A colonização da mucosa gástrica por H. pylori ao longo da vida provoca inflamação da mucosa gástrica e gastrite crónica. Em cerca de 10-15% dos infectados ocorre progressão para doença ulcerosa (úlcera gástrica ou úlcera duodenal) e foi também demonstrada uma forte associação entre infecção por esta bactéria e cancro gástrico. A erradicação do H. pylori é o principal objectivo no tratamento da úlcera péptica; igualmente, a erradicação tem o potencial de reduzir o risco de • A taxa de infecção pelo H. pylori nos países desenvolvidos diminuiu substancialmente nas últimas décadas, assim como a incidência de cancro gástrico, facto que evidencia uma relação forte entre infecção por esta bactéria e • O estabelecimento de H. pylori como um factor de risco para cancro do estômago tem permitido uma abordagem para identificar pessoas com maior risco. Ferramentas de análise estão agora disponíveis, entre as quais sequências genómicas (do H. pylori e do ser humano). A identificação de subpopulações de alto risco, permite orientar o tratamento para indivíduos mais propensos a beneficiar da erradicação desta bactéria. O efeito clínico da erradicação é variável, desde o grande benefício na doença ulcerosa péptica até um impacto modesto na dispepsia funcional. Como apenas uma minoria de doentes com lesões pré-malignas irá eventualmente desenvolver cancro gástrico, a erradicação de todos estes doentes não está indicada. • O tratamento de 1ª linha em Portugal actualmente utilizado para erradicar a infecção por H. pylori assenta na associação de um IBP, claritromicina e • Em 20-30% dos doentes que fizeram tratamento, a bactéria não é eliminada e a recidiva da úlcera vai, muito provavelmente, acontecer nos dois anos subsequentes. Em até 70-80% dos casos o tratamento da erradicação é eficaz na CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI • O linfoma MALT gástrico primário responde melhor à erradicação do que o adenocarcinoma gástrico, facto que evidencia a necessidade de fazer um correcto diagnóstico. O tratamento antibiótico para erradicar a infecção por H. pylori leva a regressões de cerca de 70% das linhas gástricas MALT e deve ser considerado antes da cirurgia, radioterapia ou quimioterapia. A maioria destes doentes evoluirá para remissão completa e um follow-up cuidadoso é um procedimento aceite para os doentes com doença vestigial depois da erradicação. A ausência de resposta ao tratamento antimicrobiano pode estar associada a Numa perspectiva de optimizar a saúde pública, considero importante obter mais detalhes sobre a patogénese das lesões induzidas pelo H. pylori, de forma a desenvolver tratamentos mais eficazes para as patologias associadas à infecção por esta bactéria. É ainda essencial obter mais resultados de longo prazo através do alargamento dos tempos de follow-up, de modo a ampliar a compreensão dos possíveis benefícios da erradicação do H. pylori na população infectada, sintomática e assintomática, quanto ao possível desenvolvimento de cancro gástrico. CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI
8 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Haringsma et al. The Detection, Surveillance and Treatment of Premalignant Gastric Lesions Related to H. pylori. Helicobacter 2007; 12: 1-15. Bartnik W., (2008); Clinical aspects of helicobacter pylori infection ; 36th congress of the Polish Society of Internal Medicine; 118 (7-8). Romero-Gallo J., Harris E. J., Krishna U., Washington M. K., Perez-Perez G., Peek Jr R. M., (2008); Effect of Helicobacter pylori eradication on gastric carcinogenesis, Laboratory Investigation, 88, 328-336. Nishizawa T., Suzuki H., Hibi T., (2009) Quinolone-Based Third-Line Therapy for Helicobacter pylori Eradication; J. Clin. Biochem. Nutr., 44, 119-124. Schrauwen R.W.M., Janssen M.J.R., Boer W.A.; (2009), Seven-day PPI-triple therapy with levofloxacin is very effective for Helicobacter pylori eradication; The Netherlands Journal of Medicine, 67, 96-100. Ford A. C., Malfertheiner P., Giguère M., Santana J., Khan M., Moayyedi P., (2008), Adverse events with bismuth salts for Helicobacter pylori eradication: Systematic review and meta- analysis; World Journal of Gastroenterology, 14, 7361- Eisig J., Silva F., Barbuti R., Rodriguez T. N., Malfertheiner P., Joaquim PP Filho M., Zaterka S., (2009), Efficacy of a 7-day course of furazolidone, levofloxacin, and lansoprazole after failed Helicobacter pylori eradication, BMC Gastroenterology; Cheng H., Hu F.; (2009) Furazolidone, amoxicillin, bismuth and rabeprazole quadruple rescue therapy for the eradication of Helicobacter pylori; World Journal Of Zhang L., Wang S., Huo X., Zhu Z., Chu J., Ma J., Cui D., Gu P., Zhao Z., Wang M., Yu J.; (2009) Anti-Helicobacer pylori therapy followed by celecoxib on CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI progression of gastric precancerous lesions; World Journal of Gastrenterology; 15(22): Zucca E., Dreyling M.; (2008); Gastric Marginal zone lymphoma of MALT type: ESMO Clinical Recommendations for diagnosis, treatment and follow-up; European Society of Medical Oncology; 19 (supplement 2), i70-i71. Portlock C. S., Hamlin P., Noy A., Chey W., Gaydos L., Palomba L., Schwartz I., Corcoran S., Rosenzweig L., Walker D., Papanicolaou G., Markowitz A.; (2008), Infectious disease associations in advanced stage, indolent lymphoma (follicular and nonfollicular): developing a lymphoma prevention strategy; European Society of Cavanna L., Pagani R., Seghini P., Zangrandi A., Paties C.; (2008), High grade B-cell gastric lymphoma with complete pathologic remission after eradication of helicobacter pylori infection: Report of a case and review of the literature; World Terai S., Iijima K., Kato K., Dairaku N., Suzuki T., Yoshida M., Koike T., Kitagawa Y., Imatani A., Sekine H., Ohara S., Shimosegawa T.; (2008); Long-Term Outcomes of Gastric Mucosa-Associated Lymphoid Tissue Lymphomas after Helicobacter pylori Eradication Therapy; Tohoku J. Exp. Med.; 214, 79-87. Hancock B., Qian W., Linch D., Delchier J., Smith P., Jakupovic I., Burton C., Souhami R., Wotherspoon A., Bergam C., Capella C., Traulle C., Levy M., Cortelazzo S., Ferreri J. M., Ambrosetti A., Pinotti G., Martinelli G., Vitolo U., Cavalli F., Gisselbrecht C., Zucca E.; (2008); Chlorambucil versus observation after anti- helicobacter therapy in gastric MALT lymphomas: results of the international randomised LY03 trial; British Journal of Haematology; 144, 367-375. Nishizawa T., Suzuki H., Nakagawa I., Minegishi Y., Masaoka T., Iwasaki E., Hibi T.; (2009); Rebamipide - Promoted Restoration of Gastric Mucosal Sonic Hedgehog Expression after Early Helicobacter Pylori Eradication; Division of Gastroenterology and Hepatology, department of internal medicine, Keio University CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI Shimoyama T., Kato C., Kodama M., Kobayashi I., Fukuda Y.; (2009); Applicability of a Monoclonal Antibody-Based Stool Antigen Test to Evaluate the Results of Helicobacter pylori Eradication Therapy; Jpn. J. Infect. Dis.; 62, 225-227. Long M., Luo J., Li Y., Zeng F., Li M.; (2009); Detection and evaluation of antibodies against neutrophil-activating protein of Helicobacter pylori in patients with gastric cancer; World Journal of Gastrenterology; 15(19), 2381-2388. Ahmed S., Salih M., Jafri W., Shah H. A., Hamid S.; (2009); Helicobacter pylori infection: approach of primary care physicians in a developing country; BMC Franco A., Friedman D., Nagy T., Romero-Gallo J., Krishna U., Kendall A., Israel D., Tegtmeyer N., Washington M., Peek Jr. R., (2009); Delineation of a Carcinogenic Helicobacter pylori Proteome; The American Society for Biochemistry Salih B.; (2009); Helicobacter pylori infection in developing countries: the burden for how long?; The Saudi Journal of Gastroenterology; 15(3), 201-7. Lee C., Rickman B., Rogers A., Ge Z., Wang T. C., Fox J. G.; (2008); Helicobacter pylori Eradication Prevents Progression of Gastric Cancer in Hypergastrinemic INS-GAS Mice; National Institutes of Health; 68(9): 3540–3548. Snider J. L., Cardelli J. A.; (2009); Helicobacter pylori induces cancer cell motility independent of the c-Met receptor; Journal of Carcinogenesis; 8:7. Thomazini C. T.; Pinheiro N. A., Pardini M. I., Naresse L. E., Rodrigues M. A. M., (2006); Infecção por Helicobacter pylori e câncer gástrico: freqüência de cepas patogênicas cagA e vacA em pacientes com câncer gástrico; J Bras Patol Med Lab; 42, Du M. Q.; (2007); MALT Lymphoma: Recent Advances in Aetiology and Molecular Genetics; J Clin Exp Hematopath; 47. CANCRO GÁSTRICO E HELICOBACTER PYLORI Todorovic M., Balint B., Jevtic M., Suvajdzic N., Ceric A., Stamatovic D., Markovic O., Perunicic M., Marjanovic S., Krstic M.; (2008); Primary gastric mucosa associated lymphoid tissue lymphoma: Clinical data predicted treatment outcome; World J Gastroenterol; 14(15): 2388-2393. Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia; Normas de Orientação Clínica, Registo Oncológico Nacional de 2001; Instituto Português de Oncologia, de Fauci; Braunwald; Kasper; Hanser; Longo; Jameson; Loscalzo; Harrisson`s Principles of Internal Medicine; 17th edition; Mc Graw Hill. Abbas A., Fausto N., Kumar V.; Robbins and Cotran, Bases Patológicas das Doenças; tradução da 7ª edição; Elsevier.

Source: http://files.gastriccancer.webnode.pt/200000011-9cf249dec8/CANCRO%20GSTRICO%20E%20HELICOBACTER%20PYLORI.pdf

Microsoft word - ch7.doc

ACADEMIC PROGRAMME FOR THE 2ND YEAR CHAPTER 7 ACADEMIC PROGRAMME FOR THE 2ND YEAR CHAPTER 7 Curriculum of the Second Year for Dental Students Lec. Sem. Pract. Ass. ECTS Lec. Sem. Pract. Ass. ECTS TOTAL 137 – 23 158 47 127 – 23 ACADEMIC PROGRAMME FOR THE 2ND YEAR DEPARTMENT OF ANATOMY, HISTOLOGY AND EMBRYOLOGY Subject: ORAL ANATOMY, HISTOLOGY

Microsoft word - abstracts of presentations at scientific meeting.doc

ABSTRACTS OF PRESENTATIONS AT SCIENTIFIC MEETINGS 1. Woolley, Dorothy E., and Paola S. Timiras. Effects of sex hormones on electroshock seizure threshold and on glycogen and electrolyte distribution in brain of rats. The Pharmacologist 1(2):66, 1959. Timiras, Paola S., and Dorothy E. Woolley. Effects of estradiol on brain excitability in male rats. Proceedings of the First International Congress

Copyright © 2010-2014 Drug Shortages pdf