Norway pharmacy online: Kjøp av viagra uten resept i Norge på nett.

Jeg kan anbefale en god måte for å øke potens - Cialis. Fungerer mye bedre kjøp propecia Alltid interessant, disse pillene og andre ting i Generelle virkelig har helse til å handle.

Revista psilogo.pdf

Rash Cutâneo Tardio na terapêutica com Lamotrigina
– A Propósito de um Caso Clínico
Raquel Ribeiro*; Alda Rosa**; Teresa Maia***
R e s u m o :
O uso de Lamotrigina na Doença Bipolar está
de largo espectro da classe das fenotiazinas, cujo a p rovado desde 2003 pela F.D.A. O r a s h é o mecanismo de acção nos pacientes com Doença efeito secundário mais comumente encontrado e Bipolar se prende com a inibição da libertação de é um motivo frequente de descontinuação do glutamato através da inibição dos canais de sódio tratamento. Têm sido descritos casos raros de e potássio dos neurónios presinápticos e a consequente estabilização da membrana neu- revêem-se os dados existentes na literatura, ronal. A eficácia da LMG no tratamento da respeitantes à utilização de Lamotrigina em Doença Bipolar em adultos foi investigada em 10 doentes bipolares dando-se principal enfoque ao estudos randomizados, contra placebo e dupla- rash, particularizando ainda alguns aspectos do rash com surgimento tardio, de que é exemplo ocaso apresentado. A LMG foi aprovada pela US FDA, em Junho de P a l a v r a s - c h a v e : Lamotrigina; Doença Bipolar;
2003, no tratamento de manutenção, isto é, na R a s h; R a s h de início tard i o .
p revenção de descompensações de adultos bipo-l a res tipo I que tenham sido tratados na fase A B S T R A C T:
aguda com terapêutica standard7. Record a m o s The use of lamotrigine in Bipolar Disorder has também que dados provenientes de 2 estudos3 , 6 been approved by the F.D.A since 2003. Rash is sugeriram que a LMG tem uso, embora limitado, the more frequent adverse effect related to the no tratamento de manutenção de cicladores rápi- reatment with Lamotrigine and in several dos, quer sejam bipolares I ou II pelo que, em cases is the cause for discontinuation of me- caso de necessidade, o seu uso é re c o m e n d a d o dical treatment. The less frequent related cases como uma alternativa ao Lítio ou ao Va l p roato de of rash are the late onset ones. About a w o m e n ’s case with a late onset of rash, werevised the clinical use of Lamotrigine in O fármaco não foi aprovado no tratamento agudo Bipolar Disorder published bibliography which dos episódios afectivos bipolares pois não re v e- is followed by a special focus in the rash itself lou eficácia superior ao placebo na maioria dos and finally we present some particular issues e s t u d o s4 , 5 , 6, embora em dois deles se tenha demonstrado eficaz no tratamento da Doença K ey Wo rd s : Lamotrigine; Bipolar disord e r ;
B i p o l a r4 , 5. Embora a LMG não esteja apro v a d a pela FDA no tratamento agudo dos episódiosafectivos bipolares, é actualmente re c o m e n d a d a REVISÃO DO USO DE LAMOTRIGINA
pelas guidelines (com confiança clínica modera- EM DOENTES BIPOLARES:
da) como opção de primeira linha no tratamento A Lamotrigina (LMG) é um fármaco antiepiléptico agudo de pacientes com depressão bipolar, e 12 • Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca
* Interna do Internato Complementar de Psiquiatria: Serviço de Psiquatria doHospital Fernando Fonseca.
** Assistente Hospitalar: Serviço de Psiquatria do Hospital Fernando Fonseca.
Rash Cutâneo Tardio na terapêutica com Lamotrigina – A Propósito de um Caso Clínico
como terapia aguda adjuvante (com confiança Geralmente, o rash grave ou severo ocorre nas clínica substancial) naqueles tendo depre s s ã o seis primeiras semanas de tratamento, ocasional- b i p o l a r, não respondem à terapêutica inicial- mente até às 12 semanas e muito raramente depois disso1 8. Têm sido descritos casos isoladosde rash após longos períodos de tratamento1 9.
LAMOTRIGINA
- EFEITOS ADVERSOS DESCRITOS:

C a l a b rese e colegas procuraram descrever as Os efeitos adversos da LMG são geralmente de principais características de um rash benigno, gravidade ligeira a moderada, sendo mais comuns a cefaleia (19%), náusea (14%), infecção (13%), • Atinge um pico dentro de dias e resolve em e insónia (10%). Foi ainda relatada diarreia em 7% dos casos e tremor em 4% dos casos10.
• Pequenas manchas não confluentes e não Apesar da prevalência de rash em estudos aleatórios de doentes bipolares não ser superior à • Não se faz acompanhar de sintomas sistémicos encontrada com o placebo, o rash é considerado o efeito secundário mais frequente deste fárm a- (leucograma, função hepática e renal e urina II).
c o1 1. A sua incidência tem sido estimada entre1,7% e 39%1 2 - 1 6, sendo na sua grande maioria rash Por outro lado apontam as seguintes característi- l i g e i ros. No entanto, estão também descritas reacções cutâneas severas ligadas à LMG (em estudos realizados com doentes epilépticos), tendo sido relatados casos de Síndrome de Steven- • Envolvimento proeminente do pescoço e tronco Johnson, Necrólise Epidérmica Tóxica e Síndro m e • Qualquer envolvimento dos olhos, lábios, Os estudos realizados na Doença Bipolar (contro- lados e não controlados) mostram que a incidên- • Febre, mal-estar, faringite, anorexia e linfade- cia de rash severo em pacientes tratados com LMG é de 0.1% (três casos entre 2272 doentes estuda- d o s )7 incluindo um caso de Síndrome de Steven- (leucograma, função renal e hepática, urina II).
Johnson ocorrido num doente que fazia a LMGcomo fármaco adjuvante1 7.
Tem sido proposto que o rash associado à LMGc o rresponda na maioria das vezes a reaçcões de CARACTERISTICAS DO R A S H:
hipersensibilidade tardia, que ocorrem nas Um rash que surja nos cinco primeiros dias de te- primeiras 2-3 semanas de tratamento e que se rapêutica provavelmente não terá uma causa re l a- resolvem com a suspensão do fárm a c o2 0. Outro aspecto que apoia a hipótese da existência de um Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca • 13
*** Assistente Graduada: Directora do Serviço de Psiquatria do Hospital FernandoFonseca.
Raquel Ribeiro, Alda Rosa, Teresa Maia
mecanismo imunológico subjacente, são os sin- medicação com Carbamazepina (ou outra dro g a tomas gripais, a linfadenopatia e a eosinofilia que indutora de enzima) deve iniciar a LMG com 50 mg/d, e ir titulando quinzenalmente com aumen-tos graduais da dose do fármaco até atingir os MANEJO CLINICO DO R A S H:
Foram identificados factores de risco para oa p a recimento do rash incluindo uma dose inicial rece existir alguma controvérsia quanto ao e uma taxa de titulação do fármaco acima das manejo clínico do r a s h havendo alguns autore s recomendações, bem como a coadministração que advogam que caso surja um r a s h isolado e com o valpro a t o2 1 , 2 2. Como factores de risco benigno, a dose de LMG não deve ser aumentada minor para o surgimento de rash severo foram ou deve ser mesmo reduzida até o rash re s o l v e r, apontados a comorbilidade com o Vírus da a d v e rtindo o doente para a necessidade de con- Imunodeficiência Adquirida e Lúpus Eritematoso tactar o seu médico caso surjam novos sintomas.
Sistémico, corticoterapia à data de início do fár- No entanto os mesmos autores ressalvam que se maco e a existência de história familiar de r a s h t r a t a r, logo de início, de um r a s h s e v e ro então a d roga deve ser imediatamente suspensa e deveráp ro c e d e r-se ao despiste de um eventual envolvi- É agora reconhecida a importância de uma titu- mento sistémico1 1. Por outro lado, outros autore s lação inicial lenta do fármaco para minimizar o defendem que a LMG deve ser descontinuada ao risco do rash severo. Com esta medida, a taxa de p r i m e i ro sinal de r a s h (excepto se este não esti- rash severo diminuiu enquanto que a taxa de r a s h ver claramente relacionado com o fármaco) por l i g e i ro se manteve2 6. Assim, para minimizar o f o rma a minimizar o risco de r a s h s e v e ro (uma risco de rash severo, as directrizes de pre s c r i ç ã o vez que não é possível determinar realmente se de Lamotrigina nos EUA incluem re c o m e n d a ç õ e s um tipo ligeiro vai evoluir para severo )1 9.
No que respeita à re i n t rodução do fármaco após Em pacientes com Doença Bipolar que não fazem suspensão, por aparecimento de r a s h l i g e i ro , p reconiza-se actualmente que esta só se re a l i z e recomendada é de 25mg/d (primeira e segunda quando a análise risco-benefício o justificar e semanas), 50mg/d (terceira e quarta semanas), desde que o doente possa estar vigiado de pert o 100mg/d na quinta semana e 200mg na sexta de forma a poder procurar o médico de imedia- semana. Caso esteja a ser administrado valpro a t o to, na eventualidade de surgir algum sinal de a dose inicial de LMG deve ser a mesma mas pre- hipersensibilidade. A re i n t rodução deve ser ini- scrita em dias alternados, procedendo-se depois ciada com 5-12.5 mg/d de LMG em monoterapia à subida gradual da dose, cada 15 dias, até à dose e a titulação deve ser muito lenta. Estão docu- final de 100mg. Por fim, se estiver a cumprir mentados alguns casos em que a re i n t rodução do 14 • Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca
Rash Cutâneo Tardio na terapêutica com Lamotrigina – A Propósito de um Caso Clínico
f á rmaco foi conseguida com sucesso2 7 , 2 8. Se o pescoço, pelo que a doente por sua iniciativa sus- r a s h que motivou a descontinuação da terapêuti- ca for severo não deve ser equacionada, de novo, Olanzapina 10mg/d; ocorreu a remissão total do rash em poucos dias.Quinze dias depois do r a s h Seguidamente, apresenta-se um caso de r a s h t a r- estar resolvido a própria doente re i n t roduziu a LMG na dose de 25 mg/d, suspendendo-a no 2ºdia de terapêutica após o re s s u rgimento do r a s h CASO CLÍNICO:
com a mesma localização e características.
Doente X, sexo feminino, 42 anos, com o dia- Actualmente a doente encontra-se medicada com gnóstico de Doença Bipolar I e com antecedentes de vários episódios depressivos e hipomaníacos,agravados nos últimos dois anos, em que nunca D I S C U S S Ã O :
esteve eutímica. Após intoxicação medicamentosa Neste caso, a ausência de doença cutânea prévia voluntária, em 1996, foi medicada com Va l p ro a t o e o facto do r a s h ter remitido após a interru p ç ã o de sódio e com antidepressivo, não havendo da medicação, permitem concluir que o r a s h é reacção cutânea aos fármacos. Em Junho de 2003 um efeito secundário da LMG. A manifestação do fez episódio maníaco com ideias delirantes asso- rash, no que se re f e re à localização e ao tipo de lesão, confere-lhe características de severidade.
Psiquiatria e suspensa a medicação anterior. Émedicada com Olanzapina 10mg/d e Lamotrigina A erupção cutânea teve início ao fim de oito 100mg/d (faz titulação lenta conforme as meses de tratamento pelo que se torna um caso recomendações actuais). Já em ambulatório, r a ro. Parece realmente tratar-se de uma re a ç ã o duas semanas depois, procedeu-se à subida da de hipersensibilidade tardia pois quando se pro- LMG para 200mg/d. A doente esteve compensada cedeu à re i n t roduçao do fármaco, e apesar de até Abril de 2004, altura em que surgiram lesões esta ser feita com uma dose reduzida e já anteri- cutâneas tipo pústula (nódulos averm e l h a d o s o rmente tolerada, o rash re s s u rgiu na Doente. X.
com colecção purulenta), dolorosas e pru r i g i- A exacerbação do rash ocorrida em Agosto e o nosas, dispersas na face, no pescoço e re g i ã o tipo de localização em zonas mais expostas à luz superior do tronco. Foi excluída outra patologia solar (pescoço e face), pode estar re l a c i o n a d a ou introdução de novos fármacos. A doente com uma insolação - aspecto já descrito noutro s negou febre. A dose de LMG foi reduzida para casos 2 9. A re i n t rodução do fármaco após suspen- 100mg/d, constatando-se uma diminuição do são da toma, foi realizada por iniciativa da n ú m e ro de lesões mas mantendo algumas Doente. X (sem o conhecimento do seu médico remanescentes com iguais caracteristicas. assistente) e resultou no re s s u rgimento do r a s h.
Durante as férias, em Agosto 2004, ocorreu uma Pensamos que esta re i n t rodução foi con- nova exacerbação do r a s h, sobretudo na face e t r a p ruducente atendendo ao tipo de rash (com Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca • 15
Raquel Ribeiro, Alda Rosa, Teresa Maia
características de severidade) e salientamos o guideline for the treatment of patients with bipolar di- facto de ter sido feita com uma dose inicial de rder (revision). Am J Psychiatry Apr; 159 (4 25mg i.e acima da dose de LMG re c o m e n d a d a 9. Calabrese JR, Bowden CL, McElroy SL, et al .
S p e c t rum of activity of Lamotrigine in tre a t m e n t - Bibliografia:
re f r a c t o ry bipolar disord e r. Am J Psychiatry Jul; 156 1. Calabrese JR, Bowden CL, Sachs G, et al. A placebo- c o n t rolled 18-month trial of lamotrigine and lithiummaintenance in recently depressed patients with bipo- 10. Calabrese JR, Bowden CL, Fieve R, et al.
lar I disord e r. J Clin Psychiatry. In press, 2003.
Lamotrigine or lithium in the maintenance treatment ofbipolar I disorder [abstract no. P1.115 plus poster).
2. Bowden CL, Calabrese JR, Sachs G, et al. A placebo- P resented at the 15th Congress of the European College c o n t rolled 18-month trial of lamotrigine and lithium of Neuro p s y p h a rm a c o l o g y,2002; Oct 5-9; Barc e l o n a .
maintenance in recently manic or hipomanic patients Eur Neuro p s y c h o p h a rmacol; 12 Suppl. 3: S217, 2002.
with bipolar I disord e r. Arch Gen Psychiatry Apr; 60(4): 392-400, 2003.
11. Calabrese JR, Sullivan JR , Bowden CL, et al. Rashin multicenter trials of lamotrigine in mood disord e r s : 3. Calabrese JR, Suppes T, Bowden CL, et al. A double- clinical relevance and management. J Clin Psychiatry blind placebo- controlled, prophylaxis study of lamo- P s y c h i a t ry Nov; 61 (11):841-850, 2000.
12. Vittorio CC, Muglia JJ. Anticonvulsivant hypersensi-tivity syndrome. Arch Intern Med: 155 (21): 2285-90, 4. Calabrese JR, Bowden CL, Sachs G, et al. A double- blind placebo- controlled study of lamotriginemonotherapy in outpatients with bipolar I depre s s i o n .
13. Natsch S, Hekster YA, Keiser A, et al. Newer anti- J Clin Psychiatry. Feb; 60 (2): 79-88, 1999.
convulsivant drugs: role of pharmacology drug interac-cions and adverse drug reactions in drug choice. Dru g 5. Frye MA, Ketter TA, Kimbrell TA, et al. A placebo- c o n t rolled study of lamotrigina and gabapentinmonotherapy in re f r a c t o ry mood disorders. J Clin 14. Steiner TJ. Findley LJ, Yuen AW. Lamotrigine versus P s y c o p h a rmacol Dec ; 20 (6): 607-14, 2000.
placebo in the prophylaxis of migraine with and with-out aura. Cephalalgia Apr; 17 (2): 109-12, 1997.
6. data on file, GlaxoSmithKline, 2003.
15. Chaffin JJ, Davis SM. Suspected lamotrigine- 7. Prescribing information: Lamictal (lamotrigine) induced toxic epidermal necrolysis. Ann Pharm a c o t h e r [online]. Av a i l a b l e f rom URL: http://us.gsk.com/pro- ducts/assets/us_lamictal.pdf [Accessed 2003 Jun 25] 16. Brodie MJ, Richens A, Yuen AW. Double-blind com- 8. Hirschfeld RMA, Bowden CL, Gitlin MJ, et al. Practice parision of lamotrigine and carbamazepine in newly 16 • Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca
Rash Cutâneo Tardio na terapêutica com Lamotrigina – A Propósito de um Caso Clínico
diagnosed epileps. UK lamotrigine/ carbamazepine 23. Roujeau JC, Kelly JP, Naldi L, et al. Medication use monotherapy trial group. Lancet, Feb; 345 (8498): and the risk of Steven-Johnson syndrome or toxic epi- d e rmal necrolysis. N Engl J Med 1995 ; 333: 1600-7 17. Calabrese Jr, Sullivan JR, Bowden CL, et al. Rash in 24. Saiag P, Caumes E, Chosidow O, et al . Drug induced multicenter trials of lamotrigine in mood disord e r s : toxic epidermal necrolysis (Lyell syndrome) in patients clinical relevance and management. J Clin Psychiatry infected with the human immunodeficiency virus. J Am 18. Manasco P, Mullens L, Matsuo F. Skin rash assoca- 25. Shear NH, Spielberg SP. Anticonvulsivant hypersen- ted with lamictal: incidence, time to onset and risk fac- sitivity syndrome : in vitro assessment of risk. J Clin 19. Goldsmith DR, Wa g s t a ff AJ, Ibbotson T, Perry MP.
26. Wong IC, Lhatoo SD. Adverse reactions to anticon- Lamotrigine- a review of its use in bipolar disord e r.
vulsivant drugs. Drug Saf 2000; 23: 35-36 Adis Drug Evaluation 2003; 63 (19): 2029-50 27. Garcia- Doval I, LeCleach L, Bocquet H, et al. To x i c 20. Richens A. Safety of lamotrigine. Epilepsia 1994; 35 e p i d e rmal necrolysis and Steven- Johnson syndro m e : does early withdrawal of causative drugs decrease therisk of death? Arch Dermatol 2000; 136: 323-327 21. Messenheimer JA, Mullens EL, Giorgi L, et al. Safetyreview of adult clinical trial experience with lamotri- Rechallenge with lamotrigine after initial rash. Seizure1995; 4:67-71 22. Messenheimer JA. Rash in adultand pediatricpatients treated with lamotrigine. Can J Neurl sci 1998; Lamotrigine- induced rash after sun exposure (letter).
Am J Psychiatry 1999; 156 (12):2015 Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca • 17

Source: http://www.psilogos.com/Revista/Vol1N2/Indice2_ficheiros/Rosa.pdf

Microsoft word - letter to editor- obesity iran 22

Bangladesh Med Res Counc Bull 2010; 36: 100-103 obesity was significantly more in women than men (P=0.001), but the prevalence of overweight has inversely related to the gender (P=0.013). The LETTERS TO THE EDITOR prevalence of obesity and overweight were markedly more in urban area than in rural area Obesity in the north of Iran (South-East of the Caspian Sea) Table I: The m

Copyright © 2010-2014 Drug Shortages pdf